Nossa história

Começou há 34 anos e é marcada pela violência cotidiana do Brasil, pela figura da Igreja Católica, pelo apoio da comunidade local, do governo brasileiro, de organizações filantrópicas e de voluntários de todo o mundo.

Nossa história

Começou há 30 anos e é marcada pela violência cotidiana do Brasil, pela figura da Igreja Católica, pelo apoio da comunidade local, do governo brasileiro, de organizações filantrópicas e de voluntários de todo o mundo.

1978

16 de junho

CHEGADA AO BRASIL

Padre Renato Chiera chega ao Brasil, na Baixada Fluminense. Depois de ter trabalhado na própria diocese de Mondovì, no Piemonte (Itália), decidiu de mudar para Nova Iguaçu, na periferia do Rio de Janeiro, para trabalhar como pároco ao lado de um povo pobre e marginalizado.

 

 

 

1982

1 de Novembro

O ENCONTRO COM O PIRATA

Padre Renato encontra um adolescente conhecido como Pirata escondido em sua garagem, ferido e procurado pela polícia. O padre o acolhe em sua casa e o ajuda a se integrar na comunidade.

 

 

 

 

 

 

1984

Janeiro

Chegada do Padre Renato na Paroquia de São Miguel Arcanjo

 

 

 

1985

7 de fevereiro

MARCADO PARA MORRER

Um jovem, da lista dos “marcados para morrer”, quer dizer, para ser morto, dirige-se ao Padre Renato perguntando-lhe: “Pai, ninguém faz nada. Eu não quero morrer ”. Essa frase fez Renato lembrar a frase do Evangelho “Aquilo que fizeste a um destes irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes.” (MT, 25,40).

 

 

 

1984-86

Atividades de alfabetização com crianças e adultos em várias comunidades carentes da baixada fluminense.

 

 

 

1986

12 de outubro

A CASA DO MENOR NASCEU OFICIALMENTE

Atendendo ao grito de socorro de muitas crianças e jovens, no dia 12 de outubro de 1986 nasceu, na periferia do Rio de Janeiro, a Casa do Menor São Miguel Arcanjo, nome escolhido pelas mesmas crianças que sentiam falta de família e de amor.

 

 

 

1987

A CASA DO MENOR SE EXPANDE

Graças ao apoio da diocese de Nova Iguaçu e dos jovens da comunidade o projeto do Padre Renato cresce cada vez mais e se estende a outros lugares do Brasil.

 

 

 

1992

OS PRIMEIROS CURSOS PROFISSIONAIS

Com a ajuda de um pai social que era serralheiro de profissão, a Casa do Menor organiza os primeiros cursos profissionalizantes para jovens e adolescentes das casas lares e da comunidade.

 

 

 

1993

VILA CLAUDIA

Centro diurno na favela Vila Claudia onde são realizadas atividades de alfabetização, reforço escolar e cursos profissionalizantes de informática e cidadania, com o objetivo de evitar que as crianças e os jovens entrem no tráfico de droga, que é muito forte nesta comunidade.

 

 

 

1996

Hoje a unidade de Tinguá funciona como Desenvolvimento Comunitário com atividades esportivas, Dança, Percussão e Circo para toda a comunidade, Unidade terapêutica aonde acolhemos jovens e adultos em situação de drogadição para tratamento,  a Casa Lar  Jesus menino com crianças e adolescentes com necessidades especiais e os cursos profissionalizantes de Barbeiro, Assistente de RH, Assistente de administração.

 

 

 

1998

IRMÃ CELINA

Estrutura onde são acolhidas diariamente crianças e adolescentes de 6  á 24 anos com atividades  multidisciplinares, oficinais e cursos profissionalizantes. As crianças recebem também  nutrição adequada, participam de atividades físicas e reforço escolar. 

 

 

 

2001

CASA DO MENOR FORTALEZA

Construída em 2001, a Aldeia da Criança inclui cinco casas lares, um centro profissionalizante, um centro lúdico-desportivo, uma pousada para voluntários, um ambulatório médico. Faz parte do condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), onde convivem 22 comunidades nascidas de antigos e novos carismas, para dar uma resposta às questões espirituais e sociais da cidade.

 

 

 

2002

CASA REVIVER

Inaugurada no 2002, o espaço acolhe crianças em situação de risco e vulnerabilidade social. Hoje, em 2020, é uma casa mista de irmãos de 5 a 11 anos.

 

 

 

2006

ROSA DOS VENTOS

Inaugurada no 2006, na unidade se econtra uma creche para 75 crianças, um centro profissional que oferece cursos de informática, mecânica, cabeleireiro, para 180 jovens por ano. Na estrutura os operadores realizam um trabalho sistemático de psicologia educacional com as famílias para resolver as dificuldades de aprendizagem encontradas.

 

 

 

2006

JOVEM APRENDIZ

1500 jovens no primeiro ano. Mais de 50.000 jovens que até hoje a Casa do Menor tem ajudado a entrar no mundo do trabalho.

 

 

 

2008

SANTANA DE IPANEMA

A Casa do Menor inicia um projeto de prevenção e educação com crianças e adolescentes da região do Sertão Alagoano, especificamente na cidade de Santana do Ipanema. É uma região de extrema pobreza e miséria, onde a desconstrução familiar é a causa de frequentes casos de violência doméstica, também devida ao consumo de álcool. A intervenção da Casa do Menor dirige-se, portanto, àquelas crianças e adolescentes que se encontram em situação de vulnerabilidade social, que correm o risco de se tornarem “criança de rua”.

 

 

 

2013

GUARATIBA

A Casa do Menor de Guaratiba RJ, hoje funciona como desenvolvimento comunitário para as crianças do bairro de Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro e adjacência. O “Projeto plantando futuro”, proporciona a unidade de Guaratiba a realização de atividades de plantio, aulas de dança e esportivas.